segunda-feira, 17 de junho de 2013

Poesia Popular



 
Isto é uma coutada?
 
 
Neste nosso País de liberdade
as mulheres, na terra dos capões,
são proibidas por certos figurões
de tocarem na banda da cidade.
 
E os que mandam alinham nisto tudo,
vão dizendo que sim com toda a gente,
entre eles não há nada de diferente,
andam todos ao som do tal "canudo".
 
O que diz a constituição, é entulho!...
o que importa é subsidiar o orgulho
desses ditos senhores da coutada,
 
que dizem para aí, à boca cheia,
a mulher é um bombo em que se arreia...
só serve p'ra parir e p'ra mais nada!
 
2-12-2012
 
Rodela, poeta popular freamundense.


5 comentários:

  1. Excelente soneto. :)
    Poesia popular de nível. Com que então a mulher só serve para esses desígnios??? lolololool :))))
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Rodela tem uma obra considerável.
      Abraço, amigo.

      Eliminar
  2. Isto mais me parece um soneto d'outros tempos.

    Mau Maria! Então que razão é que os figurões alegam para justificar que as mulheres não podem tocar na Banda?

    Quem lhes arreava com o canudo na tola era eu se fosse de Freamunde, soubesse tocar algum instrumento e não me deixassem tocar na Banda, ora essa! :)

    Beijinhos, Zé Maria! Dá um abraço meu ao Poeta!:))

    PS: Vê lá se na considerável obra do António Rodela existe algum poema a honrar e dignificar o género feminino, senão...

    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema da banda e de ordem dos estatutos e parece que o pessoal não sabe que quando esses diplomas particulares são museologicos, devem ser tratados como tal. Na verdade não estou muito a par, mas deve ser da conveniência de alguns, não integrar as miúdas na banda.
      Vou ver no que conheço do Rodela, se tem algo a por as mulheres no topo do mundo. Se não, vou ter que desafiar.
      Beijo

      Eliminar