sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Jornal da Mocidade Portuguesa - N.º1


Nova Série, ano 1,  n.º1 - Quinzenário - 31/10/1942
Anunciação por Marcelo Caetano - Comissário Nacional
Digitalização integral













O Charadismo no Estado Novo



Já nada é como era. As charadas apresentadas no Jornal da Mocidade Portuguesa – Nova Série – ano 1 – n.º10, tiveram as soluções apresentadas no n.º 15. O jornal era um quinzenário! Ou seja, saíram em 5 de Junho de 1943 as soluções para as charadas publicadas em 13 de Março do mesmo ano (quase três meses depois).

Agora estão aqui juntinhas e merecem a nossa atenção;



quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

BBC - A voz de Londres na guerra



Fernando Pessa na BBC - Londres

Mr. F. W. Oglivie, Director da BBC
          Livreto no formato (12x18)cm com 32 páginas, impresso em "OFICINA GRÁFICA, LIMITADA" - Rua da Oliveira, ao Carmo, 8 - Lisboa. (Sem data nem referência ao n.º de exemplares impressos)
          Integralmente digitalizado e disponível na página/separador 2.ª Guerra

Um velho postal - Abril de 1950




terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Winston Churchill - Capa da NEPTUNO


Winston Ghurchill - Capa da revista NEPTUNO de Setembro de 1942

Contra-capa da revista - Notar o lembrete para que seja "passada"



segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Figurinos vintage




Lucille Manguin (1928-1960) e Jean Dessès (1904-1970) foram célebres estilistas do início do Séc. XX

A face portuguesa pela Alemanha


            A turbulência política criada pelos problemas económico-financeiros na Europa, remete-nos a todo o momento para a segunda guerra mundial, suas causas e suas consequências. Se o conflito Israelo-palestiniano é consequência directa das resoluções tomadas com o desfecho da guerra, já os problemas da Rússia e do leste europeu, que teimam em despontar a curtos espaços de tempo, se enquadram tanto nas causas da guerra 39-45 como no seu desfecho. Quanto à Alemanha, agora, como então, é o centro disto tudo. Assim, o assunto da segunda guerra mundial sobrevirá sempre que tentemos discutir, para compreender, o nosso mundo.
            Hoje trago um documento datado de 1942, composto e impresso na Imprensa do Barreiro – 30’000 ex. – Lisboa. Trata-se de uma simples folha impressa, com um formato muito próximo de A4, dobrado ao meio, apresentado em A5, portanto, e consta alegadamente  numa palestra radiodifundida de António Eça de Queiroz

            Transcrevi e apresento-o abaixo, por motivos de facilitar a pesquisa e a leitura, mas disponibilizei a sua digitalização integral na Página/separador 2.ª Guerra 



             O ressurgimento do espírito nacional pelo fortalecimento do espírito legionário

Palestra radiodifundida de ANTÓNIO EÇA DE QUEIROZ

            Não há legionário que não recorde com nobre entusiasmo aquela noite de 28 de Agosto de 1936, em que milhares de portugueses aclamaram, no Campo Pequeno, a ideia de ser criada uma força voluntária para a defesa de Portugal contra a ameaça comunista.
            Não há legionário que não recorde aqueles meses que se seguiram de intensa preparação legionária. Pelo país inteiro homens de todas as classes e proveniências enchiam as paradas dos quartéis e, comandados por uma “elite” incansável de oficiais de terra e mar, aprenderam o manejo das armas a fim de se prepararem para as possibilidades ameaçadoras de uma batalha imediata.
            O momento era de perigo. O comunismo jogava em Espanha a sua primeira cartada militar para a subversão dos princípios da ordem europeia e da civilização ocidental. Todos o sentiam e compreendiam e por isso fizeram pesados sacrifícios. Foram momentos magníficos. O país via nascer e crescer com um suspiro de alívio uma poderosa força voluntária, força que seria mais uma barreira oposta aos velhos desígnios de Moscovo: a revolução e a ideia comunista alastradas ao mundo inteiro!

* * *
            Mais tarde, a eminência do perigo, na sua forma violenta, esbateu-se. As tropas nacionais de Espanha derrubavam e aniquilavam as hordas vermelhas ”del frente popular” e as brigadas internacionais de sinistra memória… o comunismo sofria ali a sua primeira grande derrota militar.
            Então pouco a pouco, com a diminuição do perigo tangível, a actividade legionária abrandou, sucedendo-lhe um período de acalmia…
            O ritmo dos exercícios tornou-se mais compassado, o espírito de arrancada e sacrifício diminuiu. Dizia-se, inconsequentemente, que o perigo fora afastado, e a alguns até parecia que a Legião poderia licenciar-se, conservando-se apenas uma força simbólica que deveria limitar-se a uma acção de carácter social. A clara chama que um grande vento de patriotismo ateara ardia menos alta… o perigo fora afastado.
            Era este um erro profundo, direi mais, um erro criminoso, pois é crime ser cego, quando a evidência dos factos está, contudo, à vista, e é crime ser surdo, quando o rumor da catástrofe se sente claramente, logo que se presta o ouvido.
            Nesse erro não incorreu o comando legionário. Não podendo manter ao rubro dos primeiros momentos o esforço militar da Legião, resolveu aguentá-lo, tornando-o menos áspero, mas conservando intacta a força material existente, ligando sempre mais as obrigações e o ideal legionário à orgânica do Estado, o que, a breve trecho, deu à Legião Portuguesa uma solidez moral e uma consistência de acção muito superior àquela que tantos lhe supõem e que o adversário, na sua incompreensão, lhe nega.
            Avisado foi o comando, visto que, por esta forma, nos conservou uma força que é hoje mais uma das salvaguardas da nossa existência de portugueses livres e do Estado Novo, que bem podemos considerar como o mais forte baluarte da nossa independência como nação, dos nossos direitos e crenças como homens.

* * *

            Nisto estávamos em 1941, quando dos acasos da guerra surgiu o imenso conflito germano-soviético.
            De novo se alcançavam em armas as hordas de Moscovo. De novo surgiu o perigo na sua forma violenta – mas já se não tratava apenas da escória das brigadas internacionais que haviam tentado assassinar a Espanha, era a força inteira da máquina de guerra comunista voltada contra a Europa toda. Então se pode verificar quanto se enganavam aqueles que julgavam afastado e debelado o perigo comunista.
            À gigantesca força do exército alemão vimos oporem-se as hordas inumeráveis do exército vermelho, e todos, excepto aqueles a quem compreender não era conveniente, compreenderam o incomensurável risco que ameaçara, ameaçava e ameaça o continente europeu.
            Todos puderam avaliar as monstruosas proporções do arsenal de Moscovo e sentir a magnitude da catástrofe que nos assolaria, se a iniciativa do ataque tivesse sido tomada pelo comando soviético ou se a fortuna da guerra tivesse feito pender a balança para o lado de Moscovo!
            Deus seja louvado, essa iniciativa foi-lhe arrebatada, e foi imenso o desgaste que sofreram as forças comunistas. Foi esta uma vantagem salvadora, mas não definitiva, já que não prostrou por completo o adversário, e que não pode evitar o esforço teimoso e renovado da propaganda comunista a minar, a conspirar, a comprar braços e consciências em todas as regiões da Europa e do globo, para acudir ao monstro escarlate, ferido sim, mas ainda vigoroso, que punha à dura prova os soldados da cruzada que, do Mar Ártico ao Mar Negro, atacam o comunismo e defendem a Europa.

* * *

            E sobreveio o inverno, este inverno inclemente de 1942, que conseguiu parar os soldados europeus na sua marcha em frente para uma vitória que já parecia certa e que, assim o cremos, apenas foi retardada.
            Não podemos duvidar do triunfo, mas é certo devermos constatar que os imensos golpes sofridos pelo exército vermelho lhe não tinham roubado uma notável capacidade  de reacção. Novas hordas se formaram, mal ou bem os seus chefes as equiparam e com um insano desprezo pelas perdas, protegidos pelos rigores da invernia a que estão habituados e pela estratégia defensiva das forças europeias, encontraram energia bastante para se arremessarem ao ataque.
            Isto prova insofismavelmente o grande poder do inimigo a derrubar. Isto prova-nos com eloquência que o perigo ainda existe latente e formidável. Isto prova-nos a demência de todos aqueles que julgam que a acção legionária já não tem para subsistir as razões de 1936, e que são imbecis ou traidores aqueles que declaram absurda, por desnecessária, a rexistência da Legião Portuguesa.
            Por mais qua a ofensiva soviética tenha fracassado, por mais que se desgaste batendo-se no vasto interior da Rússia, ela foi um compasso de espera amplamente aproveitado por um adversário que nada esquece. Ateou um grande movimento de reacção e propaganda nas massas comunistas, comunisantes e comunisadas do mundo inteiro. Em toda a parte a acção lateja e toma corpo.
            Disfarçada sob mil formas, a propaganda comunista trabalha sem descanso. Passeia na rua com o povo, entra na oficina e na fábrica, insinua-se na repartição, trava conhecimento e simula amizade, excita sabiamente à revolta e à sabotagem, aproveita o despeitado e o falhado, acirra o invejoso, oferece o poder ao ambicioso e espalha a corrupção do ouro. Joga com as misérias dos desgraçados e com o terror do avarento. Senta-se à mesa dos cafés, alicia, comenta com habilidade as notícias da guerra na Rússia, dirige subtilmente conversa, fornece o argumento preciso, inventa e espalha o boato. Infiltra-se nas salas; elegantemente derrotista, escarneia a existência do perigo, faz epigramas e críticas venenosas, torce e deturpa as verdades, provoca o escândalo. Invade a revista e a imprensa, onde , sob máscaras mal afiveladas, insinua, deturpa e mente. Forja a calúnia e alimenta a guerra dos nervos.
            Está em toda a parte, vive em todos os meios, mais ou menos invisível, trabalha, actua, corrompe.
            Encontro-a no cavalheiro que não crê no perigo comunista, e que nos pinta uma Rússia ordeira e já burguesa; naqueles que odeiam o Estado Novo porque não conseguem emprego ou os obriga a sacrifícios; no idiota que afirma peremptório que uma vitória soviética não implica uma vitória da política comunista; no cronista de guerra que, dissimulado sob palavrões técnicos de estratégia e táctica, comenta a campanha da Rússia  com uma má fé flagrante; no estadista que, através da rádio, nos diz que para alcançar os seus fins os exércitos soviéticos marcharão através da Europa até onde seja necessário; no orador que proclama com gravidade que ao Sr. Estaline se pode confiar sem receio, ao terminar a guerra, a reconstrução política da Europa. Em todos aqueles que por aí declaram que o comunismo evoluiu e é hoje um caso nacional russo que não pretende a universalidade; nos que se dizem espíritos liberais e democráticos, nos “reviralhistas” que preferem tudo, incluindo o comunismo, ao actual estado de coisas português. Vemo-la infinitamente perigosa, engrinaldada de atractivos, nos filmes de cinematógrafo que inundam e corrompem o mundo inteiro. Observamo-la no mal contido afã com que certas pessoas decoram e comentam o comunicado russo. Notamo-la em todos aqueles que encolhemos ombros, quando se lhes fala no perigo soviético ou se abespinham e nos chamam germanófilos e belicistas, quando desejamos a derrota comunista.
            Existe, evidentemente e notável, só não lhe dando atenção quem por índole covarde fecha os olhos à verdade ou quem a nega por preferência.
            São mil as formas e as manhas. É uma grande, uma teimosa ofensiva; é a tentativa lógica de minar, de perturbar a ordem nas retaguardas europeias, enfraquecendo as nações pela ameaça da revolta e do medo. É a ofensiva do desespero, no qual o comunismo põe tudo em jogo, na esperança de colher resultados favoráveis, antes, se possível, e durante aquilo que Moscovo teme, neste momento, acima de tudo mais e com ela o grande ajuste de contas em que tantas forças morais e materiais da Europa se vão lançar ao assalto da máquina de guerra soviética que aguenta e protege a alma escarlate do comunismo mundial.

* * *

            Se eu desta maneira mostro a extensão do perigo, a força e a astúcia da propaganda inimiga, é porque os conhecemos e porque estamos alerta. Um perigo e um inimigo cujos valores se não ignoram, são elementos que se sabe onde e como combater… mais fáceis, portanto de vencer. Pois já que os conhecemos, saibamos defrontá-los. Não nos faltará, decerto, nem a coragem nem a decisão precisas para, sem temor e com entusiasmo, redobrarmos de energia neste combate que há 25 anos nunca deixou de existir e que alcança hoje o seu terrível apogeu.
            Eu não creio que exista um único legionário português que oponha uma contradição às minhas afirmações. Não o creio; mas se por acaso existe, esse não é legionário e não merece a honra de considerar-se português – consciente ou inconsciente é um amigo da Rússia soviética, um adepto da foice e do martelo, e, como tal, um imigo que deve ser eliminado!
            Julgo que estamos todos de acordo… O perigo existe igual, perfeitamente igual àquele que existia em 1936. Para lutar contra ele, doa a quem doer, custe a quem custar, devemos estar preparados e, recalcando dúvidas ou receios inglórios, prontos cada dia com mais firme vontade a todos os sacrifícios; a combater sem tréguas, por todas as formas ao nosso alcance, este inimigo implacável que, a não aniquilar-se, será a o ariete que deixará por terra o bastião de paz, de ordem e de prosperidade que as fortes mãos de Salazar souberam construir, para glória sua e nossa, sobre as ruinas que havia deixado em Portugal a política demo-limeral precursora da anarquia soviética.
            E assim, fortalecendo o espírito legionário, daremos novo alento à obra maravilhosa do ressurgimento nacional, que só pode vingar e durar o aniquilamento total do espírito comunista.
            O que é que está em jogo? É a liberdade da humanidade cristã ameaçada terrivelmente pela mais execrável das tiranias ideológicas.
            É o claro momento da civilização europeia ameaçado pela mais abominável ditadura da escravização moral e material.
            São os princípios, as ideias, as tradições, o sagrado património que nos foram legados por oito nobres séculos da História gloriosa.
            É Portugal! É a paz, a tranquilidade desta nossa abençoada e querida terra portuguesa!
            Temos a fortuna de sermos guiados por grandes chefes. Tenhamos confiança neles, absoluta confiança. São eles que, a par das nossas consciências, dão a palavra de ordem e nos mostram o caminho na luta contra o comunismo. Não lhes faltemos, nem a eles, nem a nós próprios, para que um dia a geração que nos há-de seguir, salva pelo nosso esforço, possa dizer com orgulho e com reconhecimento: eles foram bons portugueses, bons cristãos e bons soldados na cruzada vencedora da Europa contra o comunismo.


Composto e impresso na Imprensa Barreiro – 30.000 ex. – Lisboa, Julho de 1942

 __________

NOTA:
António d’ Eça de Queirós, 28/12/1889 – 16/5/1968
Foi oficial do exército, escritor, comissário a várias exposições internacionais, presidente da direcção da Emissora Nacional de Radiodifusão, grande oficial da Ordem de Cristo…

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Maldito Acordo Ortográfico!


            Tristemente, o jornal EXPRESSO aderiu ao acordo ortográfico. Digo tristemente porque fiquei triste a lê-lo. O dito acordo não é menos que uma hecatombe, e mesmo quando pensamos que está descontado o efeito fica-se a qualquer momento com um desconfortável sentimento de dúvida, e tristeza.
         Estava eu a ler a revista “E” – a revista do “Expresso” – quando logo a seguir a ter levado com “cetro” na cabeça, levo logo de seguida com “receções”. E fiquei triste, pronto! Não gosto de ter pena de mim e a primeira coisa que me veio à ideia foi um “JMP a sentir-se triste a ler o Expresso”, exposto no “feed de notícias” do face book, entre um filme com gatos e uma publicidade a óleo para motores.
          O que é “cetro”? E o que são “receções”? Eu estava a ler “O esplendor de uma glória perdida”, era suposto ser sobre as jóias da coroa e não havia necessidade destes dois tesourinhos.




sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

O verbo ventar e outras coisas fora de uso


Aspro

Magnésia Bisurada

Cremes POND'S

     - Fica com estes três anúncios, toda a restante publicidade (depois do Império das Meias)  no VOZ DA FÁTIMA n.º 363 - 13/12/1952

Os preços no IMPÉRIO DAS MEIAS - 1952


IMPÉRIO DAS MEIAS - AVENIDA ALMIRANTE REIS, 173-B - LISBOA
Anúncio no jornal VOZ DA FÁTIMA, ano XXIX - n.º 363 de 
13 de Dezembro de 1952



( Notar que os lençois mais largos têm 1,80m de largura)

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Auto Industrial, L.da - Coimbra






          Cartão publicitário
          Medidas (dobrado) - 16x12 cm
          Impresso em LITO. COIMBRA - 5000 Exemplares
          Outubro de 1940

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A cultura como propaganda


            No início dos anos quarenta do século XX ia a segunda guerra em crescendo, e a Portugal, como neutral, chegava muita informação tanto dos aliados como das forças do eixo.
            Aqui neste blogue já publiquei muitos folhetos e livretos, publicações essas etiquetadas com as palavras “propaganda” e “II guerra”. Poderão ser acedidos facilmente clicando nessas palavras na coluna do lado direito em “Etiquetas”. Estão disponíveis também muitas imagens da época na página/separador “2.ª Guerra” e criei ontem uma outra página/separador intitulada “W. Churchill” com material sobre o estadista que tenho vindo a incrementar.

            Hoje trago duas estampas da época, de grande formato (24x18)cm, com conteúdo claramente favorável à boa impressão sobre a Alemanha nazi.



               Assim, ninguém diria que os nazis não eram humanos!

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

WINSTON CHURCHILL - Dois discursos históricos



               A partir de hoje o Ponte Vertical passa a contar com mais uma página/separador intitulada W. CHURCHILL. Aí se poderá encontrar a digitalização integral do folheto editado por Centro Tip. Colonial - Lisboa , datado de 1942, com 19 pág., que transcreve Dois discursos históricos do Snr. WINSTON CHURCHILL, primeiro Ministro da Grã-Bretanha.

               i) Na sessão conjunta do Senado e da Cãmara dos Representantes dos Estados Unidos, a 26 de Dezembro de 1941, em Washington.

               ii) Na sessão conjunta do Senado e da Cãmara dos Comuns do Canadá, a 30 de Dezembro de 1941, em Otava.

(segundo os textos publicados pelos jornais
"The daily Telegraph" e "Morning Post")


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Previsão de chuva






          Villa Maria - Antiga Escola Preparatória de Arnaldo Gama, actualmente Santa Casa da Misericórdia de Paços de Ferreira

sábado, 7 de fevereiro de 2015

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015