quarta-feira, 13 de maio de 2015

TEMPO CONTADO: A arte de existir

TEMPO CONTADO: A arte de existir


A arte de existir, se arte se lhe pode chamar, está na paciência de sofrer o desânimo, no ver semicerrando os olhos, no respirar fundo e depois, lentamente, deixar que com o sopro escape também a náusea e a desilusão.
Porque tudo é teatro, adereços, bastidores, maquilhagem. São tantos os actores como os pontos que lhes sussurram as palavras a dizer, as atitudes a tomar, lhes mostram o caminho do proveito e os escolhos em que se tropeça.
Actores, pontos, os que tocam a música, vão todos em fila, que é o mais seguro, debitando a monótona ladainha da aceitação, confortados por igualdades e direitos que imaginam, por certezas que lhes garantem tão seguras como o nascer do sol.
O remédio é entrar no cortejo e ir também, cantar com eles, bater palmas, mostrar entusiasmo quando o arauto anunciar a passagem do rei e o esplendor do seu manto.


J. Rentes de Carvalho

sexta-feira, 8 de maio de 2015

Eles, elas, a night, e não mexer muito...











     Sobre esta coisa de “eles e elas” o que haveremos de dizer? Poderemos falar de igualdade, seria o mais evidente, mas poderíamos falar de quotas, o que já não é assim tão óbvio. Poderíamos falar do “sempre assim foi” ou do “ter de ser”, o que seria uma forma de não querer, simplesmente, falar.
     Com esta coisa do eles e elas, lembrei-me dos combustíveis, e dos professores também.
     Aqui há uns tempos os supermercados começaram a vender os combustíveis a preços que envergonhavam as gasolineiras – as mesmas que sempre disseram que era um negócio de tostões, de margens reduzidas. Ora os supermercados além do preço mais baixo ainda arranjaram espaço para umas campanhas, para dias de descontos especiais, com acumulação de pontos em cartão e tudo. Com os combustíveis a virem todos do mesmo sítio, teve que ser a qualidade – sempre a qualidade - a justificar as diferenças, no caso, a existência de uns aditivos nos produtos de marca. Tomada como séria a justificação dada, mandou o governo que todas as bombas tivessem desse combustível simples mas sério, democrático, baratinho, sem aditivos nem desculpas. E as gasolineiras continuaram a ter os preços mais caros!
     Sobre os professores, estava escrito nas estrelas que formar autênticas turbas em “vias de ensino” com direito a título de professor e a carreira, daria mais tarde ou mais cedo – a demografia ditou que fosse mais cedo – a um excesso de candidatos a ensinar. O argumento maior dos candidatos foi que o ensino nunca é demais e o argumento maior dos governantes foi “que sim, mas com a melhor qualidade” – outra vez a qualidade. Arranjou-se então um exame para fazer aos pretendentes a professor que prova sempre, e agora reparemos na fineza da coisa, que prova sempre que os que passam nesse exame são exactamente os necessários para ensinar com qualidade! Os que não passam nesse exame não podem, pura e simplesmente, exercer a actividade para a qual uma instituição de ensino os formou com sucesso. Repararam como o meu discurso está sempre a perder o sentido? Agora já se questiona os cursos e as entidades que os ministram!
     O problema dos institutos e universidades que formam professores que reprovam, está tanto nos cursos como a diferença de preço dos combustíveis está nos aditivos.
     Os supermercados conseguem vender mais barato porque têm uma concepção da actividade comercial diferente, mais dinâmica, mais desenvolvida e integrada. As gasolineiras vendem mais caros os combustíveis, como mais caro vendem os clinex e as garrafas de água.
     Aos professores faz-se a maldade de os submeter ao charadismo selectivo porque não há emprego para dar a todos.
     Legislar para lá dos verdadeiros motivos das coisas, atender ao ruido que em determinado momento se fez para esconder a falta de melhor argumento, só conduz a um mundo sem sentido. Já tínhamos grandes painéis a informar que os combustíveis na auto-estrada têm sempre o mesmo preço, qualquer que seja a marca. Agora vamos ter pessoas a explicar aos filhos que este ano não podem dar aulas por terem reprovado num exame. Para o ano, vamos ver!
     Sobre eles e elas e a night, o melhor é nem mexer. Ainda se lembram de extinguir a diferença de género, ou levar todos a exame, ou sei lá…

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Canção de embalar




Serra madeira
Da ponte da Beira,
Serrar e marrar,
Cadeirinha de lutar,
S. João pede pão,
E os presos pedem queijo;
Tlim tim tim,
Tlim tim tão,
Vamos embora
Desta prisão.

(Popular)

(Não posso esconder que me faz lembrar o Sócrates!)

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Radio Macau "Cantiga de Amor"

Video: Radio Macau "Cantiga de Amor"



Xana - (Fotografia extraída do vídeo)


Preferias que cantasse noutro tom
Que te pintasse o mundo de outra cor
Que te pusesse aos pés um mundo bom
Que te jurasse amor, o eterno amor

Querias que roubasse ao sete estrelo
A luz que te iluminasse o olhar
Embalar-te nas ondas com desvelo
Levar-te até à lua para dançar

Que a lua está longe e mesmo assim
Dançar podemos sempre, se quiseres
Ou então, se preferires, fica aí
Que ninguém há-de saber o que disseres

Talvez até pudesse dar-te mais
Que tudo o que tu possas desejar
Não te debruces tanto que ainda cais
Não sei se me estás a acompanhar

Que a lua está longe e mesmo assim
Dançar podemos sempre, se quiseres
Ou então, se preferires, fica aí
Que ninguém há-de saber o que disseres

Podia, se quisesses, explicar-te
Sem pressa, tranquila, devagar
E pondo, claro está, modéstia à parte
Uma ou duas coisas, se calhar

Que a lua está longe e mesmo assim
Dançar podemos sempre, se quiseres
Ou então, se preferires, fica aí
Que ninguém há-de saber o que disseres

letra daqui

Hélia





sexta-feira, 17 de abril de 2015

O LOBO E A POEIRA

Para o Sr. António Costa de Lisboa



            O lobo queria roubar um cordeirinho e seguia a direcção contrária ao vento, para que a poeira levantada pelo rebanho o escondesse.
            O cão de guarda porém, avistou-o e disse-lhe:
            -É escusado esconderes-te com a poeira, amigo lobo. Assim arranjarás alguma doença de olhos.
            O lobo respondeu-lhe:
            - Essa é que é a minha desgraça, meu cãozinho; há muito tempo que sofro dos olhos e disseram-me que o pó levantado pelos rebanhos é um bom remédio para a vista.



          (Dedico esta fábula de Tolstói ao Sr. António Costa e a todos os que sofrem com a poeira dos rebanhos)

quinta-feira, 16 de abril de 2015

As Horas de Sono


Três a quatro horas, se tanto,
Dorme o santo,
Cinco, o estudante,
Seis, o andante,
Sete, o caminhante,
Nove, o que tem desgosto,
E daqui para cima

Dorme o porco.

(popular)

Palavras Difíceis






Duas notas:

O universo das palavras usadas há 50 ou 60 anos não é o mesmo que o das palavras que usamos actualmente.


Uma mesma palavra proferida em momentos que diferem em décadas, pode ter significados substancialmente diferentes.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

beco - lena d'agua & rock'n'roll station






Era de noite, lembro-me bem como se fosse agora e aqui
O frio cortava como navalha e a malta muda e sem se mexer
como as pedras da calçada
Tinhamos vindo ainda há pouco da casa do João na avenida
Tudo bem alto, ninguém sonhava então que ia entrar num beco sem saída

Ele era meu amigo desde os dias de escola
Gostava de brincar comigo aos índios e aos cowboys
E eu sonhava poder vir a ser a sua companheira
Mas o meu herói quis outra heroína
O meu herói quis outra heroína

Estava deitado sobre o meu colo como Jesus ao colo de Maria
Fechou os olhos e eu tive medo de o perder naquela noite fria
A morte veio, e sem dizer nada ele partiu com ela na montada
E eu fiquei rouca de gritar por dentro mas já de nada serviu o lamento

Ele era tão bonito e tocava viola
No grupo lá do bairro que ensaiava na garagem do Zé
A gente costumava ir juntos ver o sol nascer na praia
Mas o meu herói quis outra heroína
O meu herói quis outra heroína


(Letra e música de Luís Pedro Fonseca)
original - Lena d’Água, Terra Prometida, 1986

A letra N


          Continuamos  na aprendizagem da leitura com o mesmo livro do postal anterior - o abc ilustrado - dos princípios dos anos 40 do Séc. XX. 
          Seguem-se mais duas páginas, onde o autor se propõe a arranjar maneira de mnemonizar as letras maiúsculas e as respectivas minúsculas com a ajuda de imagens.
          Chegados à letra N, a figura proposta para que os meninos se lembrem como se faz um n dos grandes, consiste num nicho com uma figura feminina, entaipado (!) e a descrição é:
          - Nicho vedado por uma tábua para evitar que os rapazes andem lá por dentro dele a brincar.



Não brincar no nicho!

abc Ilustrado





          Quantas pessoas se lembram que "A vogal a é um centro fonético donde partem duas séries...", que as invogais ou consoantes as há de valor certo e as de mais de um valor ...
          ...
          Que mais me esqueci de que não preciso? Oh invogais mudas que vos calais, regras sagradas que se rasgam, oh rigores da avaliação do respeito pelo que hoje é e amanhã não!
          Oh palavras -

     "Da palavra que soltas és escravo, a que retens é escrava tua."

(à página 89 do mesmo livro)







Gerês - Maio, 2001






quinta-feira, 2 de abril de 2015

Sobre se Ele Há ou Não


Poema – Ulisses


O mito é o nada que é tudo.
O mesmo sol que abre os céus
É um mito brilhante e mudo –
O corpo morto de Deus,
Vivo e desnudo.
Este que aqui aportou,
Foi por não ser existindo.
Sem existir nos bastou.
Por não ter vindo foi vindo
E nos criou.
Assim a lenda se escorre
A entrar nas realidade,
E a fecundá-la decorre.
Em baixo, a vida, metade
De nada, morre.

Fernando Pessoa ortónimo
Mensagem

segunda-feira, 23 de março de 2015

O mundo ao lado



O antigo processo de fotografia com película acabou por ser abandonado. Ao mais pequeno deslize entrava-se no mundo ao lado e lá ficava o que não se queria ver. A relação dos vivos com os fantasmas afecta sempre os primeiros, já o pior que pode acontecer aos segundos é serem mostrados como são – incompletos e um tanto esfumados. Um dia, um homem, ao ver que o barco em que seguia não tinha condições para se fotografar o que se via, subiu para uma baleeira e começou a remar com afinco. Acabou por chegar ao seu destino, mas consta que ainda não terminou essa viagem solitária.




quinta-feira, 19 de março de 2015

Salvar Memórias


     Por estes dias o LIDL está a vender um pequeno scanner que, num só clic, transforma os negativos de 35mm e os velhos slides em fotos digitais. Coisa para € 40,00
     Onde se quer, se gasta mais mal gasto - como diria a minha mãe.

Cidade do México - 1992


segunda-feira, 16 de março de 2015

A Vã Glória de Matar


Panfleto de propaganda pró-nazi impresso em tons de azul e preto. É uma tira de papel com cerca de 56 cm de comprimento por 9,5 de altura dobrada em quatro. Notar, no canto inferior direito da última secção, a inscrição – 3491/5/22 – o que suponho ser uma peculiar forma de escrever uma data.
Neste panfleto expressa-se a grande eficiência das forças germano-italo-japonesas a afundar, pasme-se, navios mercantes; anuncia-se a suposta impossibilidade dos equipamentos destruídos serem repostos, de o agravamento da fome ser inevitável, e de os causadores de tudo isso serem os inevitáveis ganhadores da guerra.

Leiam tudo. A Humanidade à nossa volta é a mesma. Não é para aprender nada, portanto. É só para sabermos ao que estamos sujeitos.