sexta-feira, 31 de maio de 2013

No inferno


A tristeza que aí vai. Quanto mais se fala, se critica, se comenta, se javarda em verborreias incontinentes, pior; só mais tristeza!
Eu resumo o que aconteceu. Aqui há três anos morremos e fomos para o inferno. Estamos agora a atravessar o campo de todas as expiações, vai cheia a barca e transborda de lamentos, e nem podemos contar com o barqueiro, demos-lhe duas moedas e cuspiu nelas.
É assim o inferno, um cenário velho como a noite onde todos os diabos e figurantes são eles também almas penadas.
Não nos enganemos.
Aparece o demónio velho rodeado da esquerdalhada  sem nome, que se diz bloco, incréu, homofilo, confuso e baralhante, estupurador indignado, que toca tambor de guerra disfarçado de bater no peito, que rasga as vestes mais para a orgia do caos  do que para abrir o peito – cheio de podres. Aparece o demónio velho e reúne a escumalha, faz parte do cenário.
Morremos e fomos para o inferno. Estamos a atravessá-lo.
Fora de cena quem não é de cena, choremos e ranjamos os dentes, somos os actores deste acto, a tragédia vai ser interpretada até ao fim.

JMP



2 comentários:

  1. ranjamos parece filme hindu...
    estamos no enfer com este frio...bolas até onde chegou a crise

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem verdade, Roethia! Até onde chegou o frio, nem a crise escapa. Deixaram a porta da aula aberta ...

      Eliminar